image_pdfimage_print

Todos os dias milhões de pessoas de todo o mundo usam o Google Maps para diversas funções, seja encontrar o melhor caminho para chegar ao médico, achar uma rota alternativa para fugir do trânsito, descobrir novos restaurantes da região ou até mesmo usar a função do Street View para conhecer mais de perto outros países e cidades.

Desde que foi inaugurado em 2005, o Google Maps se tornou um dos serviços mais usados da empresa em todo o mundo, ajudando muita gente a não se perder em locais desconhecidos. E, como é de se esperar de um serviço que já existe há 14 anos, há diversos fatos curiosos sobre o Google Maps. Vamos listar alguns dos mais interessantes:

É possível ver o local onde Osama Bin Laden foi morto

Local exato onde ocorreu a morte de Bin Laden (Captura: Rafael Rodrigues/Canaltech)

O terrorista, que ficou conhecido mundialmente por ter ordenado o ataque que jogou dois aviões cheios de passageiros contra as torres gêmeas do World Trade Center em 11 de setembro de 2011, foi morto em um galpão na cidade de Abbottabad, no Paquistão. A foto mais recente do local, datada de janeiro de 2018, mostra apenas um terreno vazio, sendo algumas placas de concreto no chão os únicos sinais da casa que, em maio de 2011, abrigou o líder da Al Qaeda durante a Operação Lança de Netuno, que terminou com o assassinato do terrorista por fuzileiros dos Estados Unidos.


Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!

Além do local onde Bin Laden foi morto, outro lugar interessante que é possível visitar é onde o Titanic naufragou e ver imagens dos destroços do navio. Porém, isso só é possível apenas pelo Google Earth, que possui uma ferramenta para visualizar naufrágios.

Viagens e tempo de sobra

De acordo com dados da Google, a cada ano são percorridos cerca de 20 bilhões de quilômetros com o Maps — valor esse que é a soma de todas as rotas geradas e percorridas pelos usuários do app ao longo do ano. Isso quer dizer que, em um cálculo bem rudimentar e aproximado, é possível ir e voltar de Saturno seis vezes com a distância percorrida todo ano por essas pessoas.

Mas o serviço não apenas tem uma soma impressionante de distâncias, mas também garante uma bela economia de tempo para seus usuários. Se for somar todo o tempo que as rotas do serviço economizam para seus motoristas em tempo que eles não irão passar dirigindo, a cada dia o Maps gera uma economia equivalente a dois anos.

Mapsqueologia

Ponte de Xian Ren Qiao, que só foi descoberta pelo mundo graças ao Google Maps (Imagem: Gigantes do Mundo)

Antes da existência do Google Maps, a Xian Ren Qiao era apenas uma atração turística menor conhecida por um seleto grupo de pessoas. Mas, quando um integrante da Sociedade de Pontes e Arcos Naturais (NABS) encontrou o local navegando pelo Google Maps, uma equipe foi enviada China e a descoberta foi constatada: aquela era a maior ponte natural do mundo. Feita de pedra, fica localizada sobre o rio Buliu, na região autônoma de Guanxi, e só é possível chegar ao local de barco, o que a torna uma maravilha natural que só foi realmente descoberta pelo mundo por conta dos avanços da internet e do Google Maps.Armadilha de peixa encontrado pelo Google Maps (Imagem: Telegraph)

Um ano antes da descoberta da ponte, o Maps foi sido usado para descobrir algo relativamente menor: a mais antiga armadilha de peixes do Reino Unido. Encontrada na região costeira do País de Gales, a construção de cerca de 260m de extensão utiliza grandes pedras colocadas de forma estratégica no leito do rio para atrapalhar a movimentação dos peixes e facilitar a captura. De acordo com os arqueólogos, essa armadilha teria mais de 1.000 anos e revela uma das mais avançadas tecnologias para pesca dos povos originais da região.

Qual é, Coréia?

Mapa da Coréia do Sul é muito diferente de todos os outros presentes no Maps (Captura: Rafael Rodrigues/Canaltech)

Internacionalmente, as duas Coreias possuem uma fama bem distinta: enquanto a Coreia do Norte é vista como um país bélico governado por um ditador que se diverte ameaçando soltar bomba nuclear nos outros, a Coreia do Sul é vista como a terra da tecnologia que pretende dominar o mundo com seus dois principais produtos de exportação: grupos de Kpop e jogadores de DOTA 2 e League of Legends. Mas, ainda que a fama das nações seja muito distinta, o tratamento que cada uma dá ao Google Maps não poderia ser mais diferente.

Caso você abra o Maps na Península Coreana, é possível ver que enquanto as imagens do mapa da Coreia do Norte é a mesma do outros países da região (como a China e o Japão), a da Coreia do Sul é bem diferente. Ao nos afastarmos com o zoom, o país é o único a não mostrar nenhuma informação de suas estradas, sendo possível ver apenas uma mancha cinza. Ao aproximarmos o zoom, também é possível notar que há algo diferente ali, e a imagem não possui a mesma qualidade de qualquer outra região do Maps, parecendo que estamos vendo um JPG de baixa qualidade em vez das imagens vetorizadas da Google.

Isso acontece porque a Google não pode mostrar mapas do país para o mundo. Uma lei proíbe que qualquer empresa divulgue mapas de satélite para qualquer região fora das fronteiras do país, por isso é possível acessar os dados que o Maps possui do país apenas dentro da própria Coreia do Sul. Em qualquer outro lugar do mundo, o que a Google mostra são dados coletados por terceiros e vendidos para a empresa e que não possuem a mesma qualidade de imagem ou de apuração do resto do Maps.

Motivo de guerra

Erro do Google Maps quase causou uma guerra entre Nicarágua e Costa Rica (Captura: Rafael Rodrigues/Canaltech)

2010 não foi apenas o ano que o Google Maps foi usado para descobrir uma maravilha natural escondida, mas também quando o serviço quase iniciou uma guerra na América Central.

Tudo aconteceu quando, por conta de um erro na atribuição de divisas pelo Google Maps entre a Costa Rica e a Nicarágua, um oficial do exército nicaraguense invadiu um pedaço da Costa Rica com suas tropas e usou como justificativa o fato de o Google Maps indicar aquela área como pertencente Nicarágua, afirmando então que ele não estava invadindo nada, apenas movimentando suas tropas pelo próprio país.

Após conversas com o ministro das Relações Exteriores da Costa Rica, a Google assumiu o erro e rapidamente corrigiu a posição da divisa entre os países, mas o exército da Nicarágua não aceitou a mudança e manteve 50 soldados em Isla Portillos — uma área na divisa entre os dois países, mas que faz parte do território da Costa Rica. Como não iria aceitar a invasão assim sem mais nem menos, o governo da Costa Rica enviou um contingente de 70 homens para Isla Portillos para expulsar as tropas nicaraguenses do país.

Por sorte não houve conflito e as tropas da Nicarágua se retiraram do local, mas durante alguns dias a imprensa de todo o mundo tratou o iminente conflito como a primeira Guerra Google Maps. Mas, claro, o motivo é muito mais complicado do que parece contando assim: Isla Portillo é o centro de uma disputa entre os países há mais de 200 anos e o erro da Google foi apenas uma desculpa para mais uma retomada força da região. Desde então, a companhia tem redobrado sua atenção ao traçar as fronteiras em seu serviço de mapas, principalmente em áreas com histórico de conflitos.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

(Ler na fonte)


×
CREATE ACCOUNT ALREADY HAVE AN ACCOUNT?

 
×
Recuperar as informações de acesso?
×

Go up

Pular para a barra de ferramentas